>> Noticias VOLTAR

SINDICATO UNIÃO COMANDA ATO PACÍFICO CONTRA A PEC 55/2016, REPOSIÇÃO IMEDIATA DOS 4% DATA BASE E 6% DE AUMENTO REAL

“Os servidores do Judiciário Paulista não são culpados pela crise no país”, afirma Wagner Souza, Presidente do Sindicato União.
Convocados pelo Sindicato União dos Servidores do Poder Judiciário do Estado de São Paulo, em ATO PACÌFICO servidores e representantes da UGT (União Geral dos Trabalhadores), Sindicato dos Comerciários do Estado de São Paulo, Sindicato dos Motoboys de São Paulo e a população que se juntou na Praça João Mendes, realizaram uma manifestação contra a PEC 241, atual 55/2016 que está no Senado Federal.

Servidores de vários fóruns (Presidente Prudente, Lins, Marília, Cafelândia, Itapira, Mogi Guaçu, Santa Isabel) engrossaram a manifestação no Estado de São Paulo, mostrando a revolta dos Servidores contra os ataques aos seus direitos, que os governos vêm promovendo sistematicamente.

O Sindicalista Cristal, representando o Presidente da UGT, Ricardo Patah, iniciou a manifestação na Praça João Mendes saudando aos companheiros e companheiras que se faziam presentes à manifestação e afirmou que “a UGT está solidária ao Sindicato União, pois entende que está havendo um desmonte do Estado Brasileiro, e, se não houver um Estado efetivo, competente e que invista correta e honestamente os recursos do povo, não haverá como o Brasil se desenvolver, gerar empregos e continuar promovendo a inclusão social. Somos contra a PEC 55/2016, pois acaba com as verbas para Educação, Saúde, Segurança e congela salários por 20 anos. Está havendo um sucateamento do Estado, e quem vai sofrer ainda mais? Com certeza os mais carentes da sociedade”.
Wagner Souza, em seu discurso, afirmou que “Os servidores do Poder Judiciário não podem pagar pelo que não fizeram, não somos os culpados pela crise que se instalou em nossa Pátria. Esta manifestação é para demonstrarmos que SOMOS CONTRA a PEC 241, atual 55/2016 que está no Senado, SOMOS CONTRA a Reforma da Previdência conforme proposta pelo des-governo, que pune servidores, trabalhadores e os aposentados que ganham uma micharia por mês, depois de terem trabalhado e contribuído a vida inteira. Estamos preocupados, pois o Tribunal de Justiça nos deve 4% de reposição neste ano, e ainda estamos negociando 6% de ganho real, e o discurso é sempre o mesmo: o governador cortou o nosso orçamento, não temos verba para atendermos o direito dos servidores. A FIESP afirmava: não vamos pagar o pato!, mas não disseram que seriam os trabalhadores, públicos e da iniciativa privada, que iriam pagar o pato! Temos que lutar pela aprovação do Projeto de Lei Complementar 30/2013 que reajusta parte do salário do Servidor, e que está engavetado, por pressão do Tribunal de Justiça e do Executivo, diga-se, Governador Alckimin!

Representando o Sindicato dos Comerciários, falou o companheiro Josimar Andrade de Assis, Diretor de Relações Sindicais , que enalteceu a iniciativa do Sindicato União, e que os Comerciários estavam presentes à manifestação, pois os brasileiros, principalmente os mais pobres, estão sofrendo com essa turbulência política e econômica que assola o país. A taxa de juros é inaceitável, pois penaliza os trabalhadores e favorece os banqueiros e aqueles que, como agiotas, sugam o sangue dos mais desfavorecidos. A inflação não cede, o crédito continua caro, e sem condições de comprar, o povo não move a roda da economia, e, por causa disso, várias empresas estão fechando suas portas e, aproximadamente, 12 milhões de pessoas estão desempregadas, e o que é pior, o ataque aos direitos conquistados pela luta histórica dos trabalhadores não cessam.
Nego Gerson, Vice-Presidente do Sindicato dos Motoboys de São Paulo fez um histórico de sua luta no mundo sindical, ressaltando a importância da manifestação encabeçada pelo Sindicato União. “Precisamos estar unidos – afirmou – toda a sociedade, todos os trabalhadores, pois não podemos perder as conquistas que, bravamente, com suor, sangue e lágrimas, conquistamos! Os neo-liberais, no mundo todo estão atacando os trabalhadores, e não é possível que fiquemos adormecidos, inertes, diante do desmonte que estão promovendo em nosso país. Os motoboys sofrem e morrem diariamente pelas ruas de São Paulo, e, por essa razão, estamos juntos com os Servidores do Judiciário Paulista nesta manifestação democrática, civilizada e significativa.”
O Professor Anselmo dos Santos, representando a Secretaria de Relações Internacionais iniciou seu discurso lembrando a todos o que foi dito pelo Profeta Miqueias, no quinto século antes de Cristo, quando Deus condenou os líderes e os mais ricos da sociedade pela prática da corrupção, roubo, violência contra os mais desprotegidos e pela imoralidade de todo o povo. Destacou, atualmente, o ataque globalizado que está sendo praticado contra os trabalhadores e contra os sindicatos que lutam em defesa dos direitos constitucionais desses trabalhadores, públicos ou das empresas privadas. Desafiou aos presentes a continuarem unidos, movidos pelo ideal de uma nação e um mundo melhores para nós e nossos filhos.
Dois representantes do Judiciário Paulista, Marcos, representante do Fórum João Mendes, e Maurílio, do setor de Execuções Fiscais, falaram apoiando ao Sindicato União na realização da Manifestação e conclamaram toda a Categoria a se unirem ao Sindicato União na luta em defesa dos direitos dos servidores do Poder Judiciário do Estado de São Paulo.

O companheiro Jefferson Sposito publicou matéria “Servidores se manifestam contra PEC do Teto”, Jornal de Presidente Prudente como também foi publicado no Jornal Tribuna de Itapira “ Grupo de 50 Servidores protestam contra a PEC 55/2016 e Jornal de Marilia “Fórum faz paralisação contra votação da PEC-55, que limita gastos públicos.

O Presidente do Sindicato União, na data de hoje (15/11/2016) avaliou o Movimento e afirma que: “Como resultado da Manifestação liderada pelo Sindicato União o STF recuou e encerrou sessão sem julgar recurso sobre terceirização! Valeu a pena a mobilização!”

E ainda da um alerta do porque o TJSP esta mais preocupado com a PEC  62/2015, conforme “ Comunicado TJSP” de 07/11/2016, do que com a PEC 55/2015.
POR QUE O TRIBUNAL DE JUSTIÇA DE SÃO PAULO TEM INTERESSE NA PEC 62/2015?
PEC 62/2015, veda a vinculação automática de salários recebidos por agentes públicos à remuneração dos ministros do Supremo Tribunal Federal (STF).   Acabando  com  o escalonamento vertical dos subsídios da Magistratura nacional e  submete, no âmbito dos Estados, a remuneração dos juízes à passando aos  dos Poderes políticos locais,  uma partidarização  política na Constituição vigente
A proposição oferece uma resposta objetiva a essa distorção, vedando, diretamente, as vinculações remuneratórias automáticas.

 

“QUEM NÃO LUTA PELOS SEUS DIREITOS NÃO É DIGNO DELES.”
Rui Barbosa

CAFELANDIA

 

ITAPIRA

LINS

MARILIA

MOGI GUAÇU

SANTA ISABEL

JOÃO MENDES

PRESIDENTE PRUDENTE

 

VOLTAR

Sindicato União @2005 - Todos os direitos reservados - Site em reconstrução, aguardem!