ESTADO MÍNIMO SIGNIFICA ESQUARTEJAMENTO DO SERVIÇO PÚBLICO

No dia 16 de agosto de 2016 (quarta-feira) às 10 horas foi realizado um ato histórico de resistência a retirada de direitos dos Servidores e Trabalhadores nas empresas privadas, bem como do sucateamento no Serviço Público que a presidência da República quer impor a todo custo, que seria o denominado “estado mínimo”. 


Pelos Servidores Públicos somente o Sindicato União dos Servidores do Poder Judiciário do Estado de São Paulo, se fez representado naquela ocasião, com a presença do Presidente Wagner Souza. Ao se pronunciar em prol dos Servidores, no momento em que a manifestação estava sendo realizada em frente a FIESP – Federação da Indústria do Estado de São Paulo, instituição que esta dentro do Cérebro Pensante e Dominante do desmonte do “Estado - União”, através da PEC 241 - PLP257 e demais MPs que já estão em vigor, estes textos de leis trazem condições de condutas repudiantes dos quais dão oportunidades aos MAUS Empresários entrarem e dominarem o Serviço Público, inclusive em serem os Corruptores ATIVO, bastando verificar a LAVA JATO nível Federal e a Máfia do Leite no Estado de São Paulo e muitos contratos que ainda não são publicados nos Órgãos Públicos, como por exemplo, no Poder Judiciário. Destacou ainda Wagner Souza, que a presidência da República ataca em ato continuo a CLT, o artigo 7º da Constituição como também a Reforma da Previdência e quer impor por todos os meios a terceirização na ATIVIDADE FIM, o que a população brasileira tem que ENXOTAR DE VEZ.

 

Sindicato União @2005 - Todos os direitos reservados - Site em reconstrução, aguardem!